Siga-nos agora em
english version
INÍCIO  |  LOGIN SÓCIOS  |  CONTACTOS  |  MAPA DO SITE
PESQUISAR
 
   

LISTA DE NOTÍCIAS

voltar ]
2019-11-28
KPMG apresentou «Barómetro Europeu de Empresas Familiares 2019»


Foram apresentadas no passado dia 27 de novembro, na Fundação de Serralves, as conclusões do «Barómetro Europeu de Empresas Familiares 2019» da KPMG, que entrevistou 1.576 executivos de empresas familiares em 26 países da Europa, incluindo Portugal.

Em análise estiveram temas como o governance familiar, o financiamento e o investimento, o confronto de estratégias entre empresas familiares e as restantes ou o papel dos gestores independentes do clã familiar.

Segundo o estudo, as empresas familiares da Europa continuam a aproveitar o impulso do crescimento económico do passado e estão confiantes quanto ao futuro, mas precisam de se tornar mais ágeis, inovar mais rapidamente e atrair os melhores talentos para se manterem competitivas e continuarem a crescer.

Principais destaques:

- 73% dos entrevistados estão confiantes ou muito confiantes nas perspectivas económicas das suas empresas familiares para o próximo ano. Mas 6,04% mostram perspectivas negativas ou muito negativas.
- Os níveis de confiança estão em alta na Europa, com excepção do Reino Unido, onde o nível de confiança caiu de 83% em 2017 para 68% neste ano. Com as negociações do Brexit a decorrer, as empresas familiares do Reino Unido encaram o futuro com cautela.
- Aumentar a rentabilidade (49%); o volume de negócios (38%) e atrair talento (27%) são as três principais prioridades para os próximos dois anos.
- Mais de metade dos entrevistados identificaram a disputa por talento como um dos três maiores desafios para as suas empresas. Em comparação com 43% em 2017 e 37% em 2016. Outros desafios importantes neste ano incluem o aumento do custo da mão de obra (36%) e a incerteza política (36%).
- A expansão internacional está a ser adiada. No inquérito deste ano, apenas 36% dos entrevistados reportou o aumento das actividades no exterior no último ano, em comparação com 44% em 2017 e 65% em 2016.

Pode consultar aqui a versão inglesa deste estudo.
 
   
 
RH atual | Sobre a APG | Sócios | Formação | Coaching | Publicações | Ligações | Mapa do site | Contactos | Termos & Condições
redicom.pt